Movimento Livre: introdução


O brincar livre proporciona o desenvolvimento motor, cognitivo e a autonomia.


“Enquanto aprende a contorcer o abdômen, rolar, rastejar, sentar, ficar de pé e andar, (o bebê) não apenas está aprendendo aqueles movimentos como também o seu modo de aprendizado. Ele aprende a fazer algo por si próprio, aprende a ser interessado, a tentar, a experimentar. Ele aprende a superar dificuldades. Ele passa a conhecer a alegria e a satisfação derivadas desse sucesso, o resultado de sua paciência e persistência.” (PIKLER, Emmi. O que o seu bebê já consegue fazer? (What can your baby do already?), Hungria / 1940).


O movimento é o instrumento e o modo de expressão de orientação no ambiente para a criança. Por meio dele enxergamos as ações inteligentes, o comportamento social e o afeto do bebê. Sendo assim, algo que se deve dar muita atenção e cuidado para o desenvolvimento da criança ser algo saudável e espontâneo.


O movimento livre é uma ação da criança que acontece de forma espontânea, sem a intervenção direta do adulto. Sem o adulto ensinar, estimular ou colocar a criança em uma posição que ela não tenha por conta própria, pois forçar movimentos e etapas de desenvolvimento pode ser prejudicial. A intervenção do adulto é feita de forma indireta: ele organiza o ambiente com materiais apropriados para o bebê que, por iniciativa própria, se coloca nas posturas de rolar, rastejar, engatinhar, andar, além de outros deslocamentos e posições.


É essencial um ambiente bem preparado que seja confortável e seguro para os bebês poderem pesquisar e explorar livremente o espaço e seu corpo. Manter as crianças instigadas com brinquedos adequados também é primordial para um bom desenvolvimento cognitivo. Instigando-os e incentivando-os sempre ao invés de impor algo, os bebês criam sua autonomia.


Por Bárbara Andrade


Brinquedista da Villa Bee.

Estudante de Licenciatura em Dança na FURB.


Destaque da Semana
Posts Recentes